sexta-feira, 2 de julho de 2010

Simplesmente fatos, acontecimentos, encontros, desencontros...

Se você quiser um amante
Eu farei tudo o que me pedir
E se quiser outro tipo de amor
Eu usarei uma máscara por você
Se quiser um parceiro,
toma a minha mão
ou se quiser me derrubar, de raiva
Aqui estou eu
Eu sou o teu homem
Se quiser um pugilista
Eu entrarei no ringue por você...

E se quiser um médico
Eu examinarei cada centímetro de você
Se quiser um motorista,entra
Ou se quiser me levar a dar um passeio
você sabe que pode
Eu sou o teu homem
Oh, a lua brilha demais
A corrente está apertada demais
A besta não vai adormecer
Tenho recordado
Estas promessas
Que fiz e não pude cumprir
Mas um homem nunca recuperou uma mulher
Por pedir de joelhos
Ou eu rastejaria para você, querida
E cairia aos teus pés
E uivaria à tua beleza
como um cão no cio
E agarrar-me-ia ao teu coração
E choraria nos teus lençóis
Diria por favor
Por favor
Eu sou o teu homem
E se tiver que dormir,
por instantes, na estrada
Eu conduzirei por você
E se quiser andar na rua, sozinha
Eu desaparecerei por você
Se quiser um pai para a tua criança
Ou apenas caminhar um pouco comigo
Pela areia
Eu sou o teu homem
Se quiser um amante
Eu farei tudo o que me pedir
E se quiser outro tipo de amor
Eu usarei uma máscara por você

Texto: I`m your Man - canção de Leonard Cohen.
Imagem: Cenas do filme (Os amantes da pont neuf), de Leos Carax

25 comentários:

  1. Nossa! quanta entrega...

    estou em outros campos passeando por outros pesamentos!

    ÓTIMO POEMA

    celso

    ResponderExcluir
  2. E já fez muito escrevendo uma poesia tão cheia de significados... Belíssima!

    Abraços

    ResponderExcluir
  3. linda canção, Juan. Mas tanta entrega não sobrevive às máscaras...amor nenhum sobrevive a necessidade de usar máscaras.

    um beijo pra ti

    ResponderExcluir
  4. Eu não faria metade do que está escrito aí. rsrs Amor pra mim não tem que ter exigência, só compreensão e entrega. Mas abandonar a mim mesma por outrem? Já fiz muito e nunca sobreviveu. ;)

    Bonito poema.

    Beijo, Juan!

    ResponderExcluir
  5. Nenhuma relação sobrevive sem máscara...
    é preciso desde máscara para cílios, até máscaras outras...metaforicamente.

    ResponderExcluir
  6. Sua luz me chama...
    Então venho...
    O difícil é partir...

    Abraço!

    ResponderExcluir
  7. Ah, amar de verdade dispensa tudo isso, acho que não é preciso não, mas...
    Abraços,
    Tânia

    ResponderExcluir
  8. Adorei o texto, maravilhoso, realmente a poesia na canção...eu acredito na entrega por amor.
    Bjs Juan
    Mila Lopes

    ResponderExcluir
  9. Será que só eu achei isso mto brega??? Você me conhece o suficiente pra saber que eu não vou dizer que achei lindo só pra te agradar. Gosto bem mais do que você escreve Rafa, detesto o Leonard Cohen - totalmente me lembra Fagner!!!! =$

    Beijo sempre grande pra você meu querido Rafa! =*

    ResponderExcluir
  10. Juan, confesso que não chegaria a tanto.
    Confesso ainda que mal conheço a obra de Leonard Cohen.
    Cara, adoro "Os Amantes da Ponte Neuf".
    Filmaço!
    O final é belo plasticamente.
    O barco no Sena e os fogos de artifício...
    Hum! Arraso.
    Parabéns pela postagem.
    Abs.

    ResponderExcluir
  11. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  12. Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Fabrício e cheguei até vc através do "Entre Aspas". Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir meu blog Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. Estou me aprimorando, e com os comentários sinceros posso me nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs



    Narroterapia:

    Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.


    Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.


    Abraços

    http://narroterapia.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  13. Olá!

    Este poema me parece uma negação de si mesmo pelo desejo de possuir o outro. Aquele que se objeta passivamente é, no fundo, um controlador, uma vez que almeja tornar o outro dependente. A verdade é que só há equilíbrio quando ambas as partes se amam e estão inteiras, uma para a outra. Neste caso, os indivíduos devem ser independentes, ter amor próprio.

    Parabéns pelo bom gosto artístico! Como dizia Kant, o gosto do belo é reivindicado. Reivindiquemos, sempre, em nossos blogs!

    Abçs,
    Ísis.

    ResponderExcluir
  14. Caro Juan.
    Intenso, como sempre; escorregadio e molhado, como quase sempre; amando o amor como nunca!
    Um bom abraço na intensidade.
    Repouso e vôo, gangorra...

    ResponderExcluir
  15. Rafael, é uma entrega inexplicável, um rasgar e abrir incomum. Simplesmente, caio aos teus pés ave rara pela escolha intensa que postas. Seu espaço é tão cativador, prende-me e faço viagens, amo habitar nas tuas letras e escolhas. E confesso, os dias que não adentro, devido correria, faz-me uma falta tamanha, pois tudo pintado no Branco Rembrandt, sacode-me, e me eleva, ao cume do monte captura o que me torna viva.

    Lindo e lindo, e lindo tu és!

    Abraços precioso.

    Priscila Cáliga

    ResponderExcluir
  16. eu que tenho mania de relacionar relacionei logo a música

    ele é quem quer
    ele é o homem
    eu sou apenas uma mulher

    ResponderExcluir
  17. Rafael, não posso negar que este teu post, conduziu-me a pensar, cavucar esse território tão delicado denotado 'alma'. Continuo na fala de que é uma entrega inexplicável, um rasgar e abrir incomum, pois ocorrera um anular de si mesmo, em expressão do quanto o outro é especial pra si, mas também, remetida de que amar sozinha é destrutivo, gera uma gaiola, um assolar tão grande, pois se observa entrega tão somente de um, que ama por dois e no final das contas o desfecho não é satisfatório. Amor, amar é uma tecla tão delicada, sentir que vem como uma avalanche, e ninguém escapa, muitos com histórias parecidas com a canção acima, uns se expressam [em grito leve, moderado e severo], outros se silenciam, cada qual numa reação.

    Nunca compreenderei com tanta clareza sobre o amor e o seu sentir, e não o controlarei, pois não se controla, apenas se amadurece, a não ser que, ocorra um fechar para o amor, por um tipo de trauma [marcas] e mesmo amando, ardendo fugir e colocar outras coisas no lugar.

    Abraços.

    Priscila Cáliga

    ResponderExcluir
  18. Entrega demais, entrega de menos.
    A gente nunca sabe do que seria capaz de fazer por amor. E nem dá pra julgar por isso.

    ResponderExcluir
  19. ISTO É UM HOMEM.
    Que modo lindo de dizer!Sentir!Ousar!Saber!
    E calar.

    ResponderExcluir
  20. Tanta paixão nos versos que brotam desse texto. Intenso!

    BeijooO*

    ResponderExcluir
  21. Juan, meu querido.

    A musica é linda, mas quanto a letra, ahhh
    Já fiz muito isso por sobrevivência, mas sobrevivência no amor não é vida.
    Não faria mais, mas nem mortaaaaaaaaa rs.

    Mas o texto é belo, como sempre!

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  22. Oi Rafa..
    Ainda passo por aqui..
    Beijo Mah

    ResponderExcluir
  23. gosto da escolha dessas canções.

    você sempre me surpreende a cada postagem.

    ResponderExcluir

- Chegue diante do quadro sem intenção preconcebida de sarcasmo.

- Olhe para a pintura do mesmo modo como olharia para uma pedra talhada. Aprecie as facetas, a originalidade da formam, a luta com a luz, a disposição da linha e das cores [...]

- Escolher um detalhe que seja a chave do conjunto, fixá-lo por um bom tempo, e o modelo surgirá.

- Nessa última comparação, deixar-se levar até as regiões da mais requintada Alusão.

Max Jacob


Que os vasos se comuniquem!

Related Posts with Thumbnails