terça-feira, 18 de maio de 2010

Certa vez

Certa vez me disse que certa cantora (Beth Gibbons), lhe fazia lembrar de Bjork.
Certa vez me disse que estava tirando sua carta de motorista...E eu lhe disse que tinha medo de moto...concordamos um com o outro sem nos dizermos uma palavra.
Certa vez seus atrasos sempre me faziam não prestar atenção nas aulas de Lucília e Ettore...
Certa vez seus cabelos molhados entraram nesta mesma sala e seu perfume e jeito fascinava.
Certa vez esperava você o dia inteiro, para quando chega-se...eu fugia de medo.


Certa vez fiz papel de idiota me fazendo por outra pessoa.
Certa vez em sua casa liguei e você estava viajando.
Certa vez você sumiu.
Certa vez você apareceu...
...acompanhada!
Certaz vez o tempo passou...
...E seu olhar ainda não!



Poema: Juan Moravagine Carneiro
Imagens: Fotos da cantora Beth Gibbons

22 comentários:

  1. Certas coisas fi(n)cam.

    Bonito poema, meu caro =)!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Vestígios ficam. Às vezes, pra sempre. Mas, como diz a canção, "mas sempre não é todo dia"...
    Abraços,
    TTania

    ResponderExcluir
  3. Ah, doces e tortuosas lembranças...

    ResponderExcluir
  4. Certaz vez o tempo passou...
    ...E seu olhar ainda não!

    Algo sempre permanece.

    ResponderExcluir
  5. Exitem pessoas que marcam com tanta intesidade nossas vidas que o tempo passa e elas ficam cravadas e gravadas na memória e na nossa alma...
    Belo poema, linda poesia...
    Bjs
    Mila

    ResponderExcluir
  6. Ah, Juan! esses olhares que não passam...são tatuagens na alma da gente

    grande abraço

    ResponderExcluir
  7. hum, aqueles olhos que nem bem nos olharam e já alucinamos piscadelas.

    ResponderExcluir
  8. Ahhh, estes olhares que vêem além...
    Vezes certas!


    Bjs

    ResponderExcluir
  9. Ah! Um tempo que se foi e ainda é presente! Saudosismo hora gostoso, hora doloroso! Belíssimo poema!

    Aplausos!

    ResponderExcluir
  10. são curiosos os critérios que a nossa saudade usa para guardar momentos....
    os seus são sempre os mais singelos...e portanto, importantes!
    texto leve e gostoso...prefiro assim!

    a vida jé é bem pesada por si só!

    ResponderExcluir
  11. Certa vez - direi no futuro - li esse poema e achei excelente.
    Agora, no momento, acho ótimo.
    Parabéns, camarada, e forte abraço.

    ResponderExcluir
  12. O tempo, avasalador de tudo, leva pessoas, dias e horas. Mas, olhares, denunciam!...e isso, essa danado não é capaz de levar.

    Beijo,

    Tâmara

    ResponderExcluir
  13. Sim. Os olhares sempre ficam... quando o coraçao tem o mesmo desejo.

    Lindas palavras!
    Adorei!
    beejo!

    ResponderExcluir
  14. Lembranças ficam para sempre.
    Lindas palavras.
    Tenha um ótimo dia.
    Com carinho, Lady.

    ResponderExcluir
  15. o olhar é a linha frágil que separa o tempo da eternidade...
    um abraço, juan!

    ResponderExcluir
  16. Saudades é o que resta das incertezas.
    Belo texto.
    Abç

    Rossana

    ResponderExcluir
  17. Depois o que eu escrevo é bem visual?
    ahuahuahauhau

    "certa vez te amei, certa vez te odiei, agora não sei nem dizer..."

    ResponderExcluir
  18. Tudo é pra sempre.Nas lembranças ao menos. =*

    ResponderExcluir
  19. Certas vezes você me pega tão de surpresa que nem sei o que dizer...

    Nossa!!!!

    Acho que encontrei um romantico irreparável, sim??

    Um carinho!
    Mell

    ResponderExcluir
  20. o alívio é q [tudo] sempre passa...

    Portishead é perfeito.
    bjs

    ResponderExcluir

- Chegue diante do quadro sem intenção preconcebida de sarcasmo.

- Olhe para a pintura do mesmo modo como olharia para uma pedra talhada. Aprecie as facetas, a originalidade da formam, a luta com a luz, a disposição da linha e das cores [...]

- Escolher um detalhe que seja a chave do conjunto, fixá-lo por um bom tempo, e o modelo surgirá.

- Nessa última comparação, deixar-se levar até as regiões da mais requintada Alusão.

Max Jacob


Que os vasos se comuniquem!

Related Posts with Thumbnails