quinta-feira, 20 de maio de 2010

"Cicatrizes não se transferem"

- Happy end

O meu amor e eu
nascemos um para o outro

agora só falta quem nos apresente...

- Quem de dentro de si não sai
Vai morrer sem amar ninguém

A parte perguntou para a parte qual delas
é menos parte da parte que se descarte.
Pois pasmem: a parte respondeu para a parte
que a parte que é mais — ou menos — parte
é aquela que se reparte.

- Estilos trocados

Meu futuro amor passeia — literalmente — nos
píncaros daquela nuvem.

Mas na hora de levar o tombo adivinha quem cai.


- Passeio no bosque

o canivete na mão não deixa
marcas no tronco da goiabeira

cicatrizes não se transferem

Texto: Poemas de um dos poetas que mais admiro e me identifico (Cacaso)

28 comentários:

  1. Sei lá o que digo...
    As pessoas sentem tanta vontade de ter um amor e eu confesso que vivo melhor sem ele.
    Bem, estou por aqui sempre vendo as atualizações. É que nem sempre tenho vontade de comentar.
    Melhor ficar quieta que falar bobagens.
    Bjk

    ResponderExcluir
  2. gosto mt dele e da geração toda.

    ResponderExcluir
  3. O meu amor e eu
    nascemos um para o outro

    agora só falta quem nos apresente...

    HAHAHAHA.

    Falta pouco.

    ResponderExcluir
  4. por acaso no dia de hoje Cacaso

    abraços
    ns

    ResponderExcluir
  5. [como se procurasse, onde janela que se disfarça na pele, apenas para a arejar a parte mais interior, o corpo em si como uma transferência inválida]

    um imenso abraço,

    Leonardo B.

    ResponderExcluir
  6. Descobri e aqui leio. O amor nasce e morre lutando pelo encontro vivo e fiel. É uma sina da qual vinga-se confundindo os corpos. Abs!

    ResponderExcluir
  7. Muito bons e chegam a todos, basta ler!

    abraços,
    Tânia

    ResponderExcluir
  8. Adorei a seleção de poemas.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Rafael Carneiro, o que suas letras me causam, ultrapassa qualquer letrativo, pois adorna-me em linguagem de olhos, na caça incessante por querer o aprofundamento. Uma tela viva e intensa exprimir em conjugação de renascimento.

    Obrigada por seus pousos e oferto as palavras-resposta ao Sr. do Vale à teu território, já que fizeste suas palavras também em brilhantismo. Segue abaixo:

    Rápido, pulsação acelerada rendida. A dor perfeita num coração imperfeito, e que chora, beija, ajoelha tudo pra que outros possam viver o alargamento de uma única nota que compõe o improvável. Frenética no ontem- morte, hoje - morrer e futuro o firmamento de uma linguagem em sentido de olhos. Fascina-te? Ah, sim, pois diz: "recuperando imagens gravadas em minha memória". A mim, enlouquece no mais e treme a base, onde opto banhar em sangue durante horas. Engravidar na escrita de sonhos grandes e extravagante: surreal à existência, do lógico pincelar o ilógico-lógico, de que mesmo sem sentir há. Silencio-me, e não pertencer mais a um sistema, mas correr veloz como uma gazela ao cume do ir e ficar vivendo o que for sendo pintura, pois quando um ser não é mais o próprio núcleo, e sim o comunga, adentrar no território desconhecido. Forte, o toque nos lábios que se rende, e está contente, afinal, renasce depois de muitas dores partos e se segura o filho amado.

    Abraços vaso.

    Priscila Cáliga

    ResponderExcluir
  10. Belas palavras, cheias de significados para a mente e para o coração!

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  11. Amei o poema, não conhecia o poeta...obrigado por nos apresentar.
    Bjs
    Mila

    ResponderExcluir
  12. muito interessante. não conheço o poeta em questão, infelizmente.
    podes dar-me mais informações, por favor?
    abraço

    ResponderExcluir
  13. Juan querido. Voce sempre tão carinhoso no meu blog!!!
    O texto é lindooo meu querido.
    Mas a verdade, é que eu tenho vivido muitoooo bem sem ele (Amor).
    Acho que as cicatrizes me deixaram oca.
    Meu coração agora só sabe amar a vida.
    Ela não me trai.

    Um abraço imenso!!!

    ResponderExcluir
  14. eu amo o cacaso!

    "mineiro é inho
    mineiro á ão
    mineiro é vinho
    mineiro é vão"

    de fazendeiro do mar!
    besos

    ResponderExcluir
  15. há tanto tempo não relia o fazendeiro do mar, fui buscá- lo agora e vi - eu engoli o mar.... risos

    é assim:

    "mar de mineiro é inho
    mar de mineiro é ão
    mar de mineiro é vinho
    mar de mineiro é vão
    mar de mineiro é chão
    mar de mineiro é pinho
    mar de mineiro é pão
    mar de mineiro é ninho
    mar de mineiro é não
    mar de mineiro é bão

    mar de mineiro é garoa
    mar de mineiro é baião
    mar de mineiro é lagoa
    mar de mineiro é balão
    mar de mineiro é são
    mar de mineiro é viagem
    mar de mineiro é arte
    mar de mineiro é margem
    mar de mineiro é lago
    mar de mineiro é vago

    mineiro tem mar de cio
    mineiro tem mar de fonte
    mineiro tem mar de rio
    mineiro tem mar de monte
    mar de mineiro é curvo
    mar de mineiro é manha
    mar de mineiro é turvo
    mar de mineiro é montanha
    mar de mineiro é fundo
    mar de mineiro é mundo"

    besos

    ResponderExcluir
  16. "Cicatrizes não se transferem". Quem nunca amou um amor doído? Um amor dilacerante, que não fere o tronco da goiabeira, mas altera a marca da linha da vida na palma de nossas mãos? Que pule do pícaro daquela nuvem quem nunca caiu do céu por conta de um amor! Adorei, sua seleção de escritores e os textos tem sido de uma delicadeza sem par! Um beijão, Deia

    ResponderExcluir
  17. Sacada engenhosa dessas palavras.


    abraço.

    ResponderExcluir
  18. Meu caro,

    Acabei de acessar de outro computador para fazer o teste: as figuras aparecem nas laterais sem sobreposição. Como suspeitávamos, o problema é incompatibilidade de configuração - ou algo parecido. rsrs

    Quanto ao post, belíssima seleta!

    Abraços,
    Lou

    ResponderExcluir
  19. já deixei marcas no tronco da goiabeira, no banco da praça na velha carteira escolar...
    também já me cortei.

    ResponderExcluir
  20. a tua primeira citação recorda-me uma charada que os miúdos da escola habitualmente contam sobre o rapaz feiíto que, para impressionar os amigos, lhes diz que namora com a mais bela rapariga da turma. Todos, em coro: "e ela já sabe"? :)
    um abraço, juan!

    ResponderExcluir
  21. eu também vivo doido por esse meu amor que nunca chega

    ResponderExcluir
  22. Nossa, esse poema é lindo!
    O comecinho é incrível! ^^

    Gostei também de: "Mas na hora de levar o tombo adivinha quem cai."

    Fiquei muito curiosa sobre esse poeta, vou procurar mais coisas dele.

    Beijo, querido! :)

    ResponderExcluir
  23. Rapaz... como não conheço Cacaso? Como? Como? rsrs

    Ótimo recorte, Juan.

    Beijomeupravocê

    ResponderExcluir
  24. não conhecia mas gostei muito do estilo... não tem pretensão de ser, simplesmente é, da forma mais pura.

    gostei de todos, cada um tem seu jeito de tocar e dizendo a verdade, mas o do amor e o das cicatrizes são perfeitos.

    ah, o q seria de nós [pobres mortais] sem os poetas?

    beijos

    ResponderExcluir
  25. E quem sai de dentro de si, e ama, vai morrer amando demais.

    ResponderExcluir

- Chegue diante do quadro sem intenção preconcebida de sarcasmo.

- Olhe para a pintura do mesmo modo como olharia para uma pedra talhada. Aprecie as facetas, a originalidade da formam, a luta com a luz, a disposição da linha e das cores [...]

- Escolher um detalhe que seja a chave do conjunto, fixá-lo por um bom tempo, e o modelo surgirá.

- Nessa última comparação, deixar-se levar até as regiões da mais requintada Alusão.

Max Jacob


Que os vasos se comuniquem!

Related Posts with Thumbnails