domingo, 1 de agosto de 2010

Realidade...!


Tempo

"Um dia nos lembraremos deste tempo se
lembrança houver
que estivemos nesta sala que algumas
vezes nos tocamos
éramos mais felizes mais moços

Um dia nos levaremos deste tempo se
levar houver"...

Manhã profunda

Um passarinho cantou tão triste
tão sozinho
Um outro respondeu espera já vou
aí já vou
aí já vou

Moda de viola

os olhos daquela ingrata às vezes
me castigam às vezes me consolam
Mas sua boca nunca me beija


Texto: Poemas de Cacaso
Imagem: Tela de Gustav Klint

21 comentários:

  1. bacana. gosto sempre de vir aqui.

    abs

    ResponderExcluir
  2. Bela postagem...

    Uma ótima semana pra vc...

    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Klimt! *-*
    Adoro a maneira com ele usa as cores!

    Bonito o poema também!

    Beijos, querido!

    ResponderExcluir
  4. [jogo de luzes e sombras com a memória, que não se ausenta... reinventa-se!]

    um imenso abraço, Juan

    Leonardo B.

    ResponderExcluir
  5. Delicadeza... o tempo passando lento e inexorável... foi o que me ocorreu quando li seu post. Pelas palavras, pela imagem, pelo branco leito onde as depositastes...
    Beijos, meu querido, e uma semana linda pra vc.

    ResponderExcluir
  6. "Um dia nos lembraremos, que um passarinho cantou tão triste, porque sua boca nunca me beijou...

    mas, eu te beijo!

    ResponderExcluir
  7. Nada mais tagarela do que um olhar!

    ResponderExcluir
  8. não conhecia os dois últimos... adorei =)

    bela escolha na ilustração. adorei!
    casou muito bem!


    ah, meu passarinho triste...

    ResponderExcluir
  9. Gosto tanto da "manhã profunda" e adoro Klint!
    bj Rafael
    Gi

    ResponderExcluir
  10. klimt, o mestre da sensualidade e dos sentidos em tom rubi conjugados com a estética da (des)espera e do (não)regresso... sobra a saudade de um tempo que o tempo ajudou a (des)temperar.
    um abraço!

    p.s. acabo de postar um texto que me parece ter afinidades intertextuais com esta linha que agora aqui desfias; chama-se memória e reza assim:
    "ouvi dizer
    que perder a memória
    é morrer duas vezes.

    morri-me.
    morri-te."

    ResponderExcluir
  11. Tudo muito bonito aqui, a imagem casou tão bem com os poemas de Cacaso: parabéns, Juan!
    Beijo

    ResponderExcluir
  12. Eis-me aqui! E, não menos saudosa que você! Lindos poemas! Vejo cada um deles cabendo, como uma luva, em uma parte de minha vida - até mesmo da que ainda não vivi! Muitos beijos, moço! Deia.

    ResponderExcluir
  13. Cacaso + Klint: irresistível.
    Tudo aqui é de prima.

    ResponderExcluir
  14. "... se houver lembranças!..."

    Enquanto houver vida sempre haverá lembranças!

    Fez-me lembrar Al Pacino em "Perfume de Mulher"
    com esta frase:

    "Em um momento se vive uma vida"

    Num momento também se morre... morre de amor..de desejo.. de felicidade. E momentos assim devem ser eternizados.


    Beijos,

    ResponderExcluir
  15. E caso não haja o amanhã, venho e te dou meu agora.

    Te beijo

    ResponderExcluir
  16. Gostei muito do quadro do Klint e o texto sobre o tempo do texto do Tempo, bem podia ser dita uma frase ou outra aquele filme: Closer.


    Bom voltar aqui ^^

    ResponderExcluir
  17. Entrelaçou meu olhar...
    Bela paisagem!

    Aquele abraço.

    ResponderExcluir
  18. perfeito o casamento desta maravilhosa tela de klint com os poemas de cacaso

    "um dia nos levaremos deste tempo, se levar houver..."

    um beijo grande

    ResponderExcluir

- Chegue diante do quadro sem intenção preconcebida de sarcasmo.

- Olhe para a pintura do mesmo modo como olharia para uma pedra talhada. Aprecie as facetas, a originalidade da formam, a luta com a luz, a disposição da linha e das cores [...]

- Escolher um detalhe que seja a chave do conjunto, fixá-lo por um bom tempo, e o modelo surgirá.

- Nessa última comparação, deixar-se levar até as regiões da mais requintada Alusão.

Max Jacob


Que os vasos se comuniquem!

Related Posts with Thumbnails