terça-feira, 7 de setembro de 2010

A Nau dos Insensatos

Borboletas gritam
As serpentes rastejam
Os móveis se aconchegam

Suspiros dentro de um útero furado
Biscoitos escorregam devido ao sebo nas paredes
As torneiras estão abertas e o porão está molhado...

Os cachorros brincam em volta da mesa
Moscas correm pelos corredores
Idosos cospem suas dúvidas por todos os lados
Enquanto os vazamentos levam suas certezas

Pedaços de mente vagueiam por um túnel iluminado
Arcanjos amordaçados transpiram suor sangue
A temperatura está abaixando enquanto os sinos tocam
Uma virgem sonha com os toques de seu amante

A viagem está se iniciando
Pílulas brancas constroem o percurso
O comandante grita anunciando a partida
Marujos correm para seus postos
Deixando para trás fadas acorrentadas

O crepúsculo renasce rachado diante da Ágora habitada
Por jogadores,
Devedores,
Prostitutas e assaltantes de capelas e supermercados

Todos estão confusos diante dos doentes achatados
Que embarcaram em última hora
No cais à batida dos tambores aumentam enquanto alguns festejam
A partida do navio marcado e sustentado por "doações"
O mar corresponde, ventos acordam
Hefaístos em solidariedade aos tripulantes da Nau dos Insensatos por ser ver como um deles
prepara o caminho
rumo ao caos organizado, banhado e habitado por Ninfas.
A tempestade está aumentando
Tritão prestativo auxília Hefaístos e seus naufrágoss
As crianças gritam em despedida
Os pais marginalizados respondem com acenos
O ritual recomeça
Sem que ninguém perceba
que a Nau dos Insensatos ainda nos habita
Usando o Pássaro Benu como guia em nossos tempos.

Texto: Poema escrito por Juan Moravagine Carneiro (Reeditado)
Imagem: Tela de Van Gogh

24 comentários:

  1. O caos da nau dos homens.

    Bom texto!

    Beijo.

    ResponderExcluir
  2. Olá... Vejo uma luz em sua janela e venho...

    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Lindo poema, caro poeta.

    Nosso mar revolto fica a espera das condições do tempo para que a calma se sobreponha a ele...a natureza humana vive num ciclo interminável de extremos, assim como a natureza!


    ótima semana para vc.

    ResponderExcluir
  4. Talvez, existam mais úteros e corações furados do que inteiros...
    bj.

    ResponderExcluir
  5. Como sempre, um brilho intenso... Lindo poema!

    Torneira aberta... é tudo que preciso!

    beejo e agora sou eu..
    saudades!
    *risos

    ResponderExcluir
  6. Poema tão forte, tão intenso,tão denso, tão visual, que lembraria um quadro de Hieronymus Bosch.
    E tal como as pinturas de Bosch, essa densidade, se repartida, poderia se transformar numa infinitude de poemas.
    Adorei!

    Bjos
    MariaIvone

    ResponderExcluir
  7. Suspirando no seu suspiro..

    Bjs

    Insana

    ResponderExcluir
  8. muito intenso...gosto da poesia q me faz pensar.

    ResponderExcluir
  9. Nesta nau
    Neste mal
    Num todo dia me enganando mas não até o final.
    Vir aqui fez algo comigo
    Obrigada

    ResponderExcluir
  10. Li e reli... e reli...

    Senti-me meio nua na nau.
    Nada fez sentido e assim assim se fez.

    Insesata como sou, claro que adorei.
    Bj

    Rossana

    ResponderExcluir
  11. Juan,

    mande-me seu endereço novamente.

    Estava aqui com sua carta, já pronta para postar, mas percebi que você me passou o endereço incompleto...

    Deixe no meu e-mail do hotmail, ou no e-mail do Blog.

    Aguardo... Abraços


    Jenifer,

    Felicidade Clandestina

    ResponderExcluir
  12. Hey, moço! Essa Nau tem lugar para mais alguns? Há uma turma invadindo nossas tvs todos os dias que fariam bom uso de uma viagem assim! Fantástico! Um beijo, Deia

    ResponderExcluir
  13. telas despojadas de ouro e flores. como o mundo e os seus olhares, afinal.
    como é possível construir o belo sobre o horrível. não, não são apenas palavras. são órgãos que escorrem o sangue, o fel e a bílis que carregam nos seus ventres abandonados. como t.s. elliot, afinal...
    um abraço, juan!

    ResponderExcluir
  14. Bela postagem!
    Adoro essa tela de Van Gogh!

    ResponderExcluir
  15. Rumo ao caos, a alma à deriva.

    Beijos em alta!

    ResponderExcluir
  16. Olá.

    Lindo poema! Fez-me ver imagens incríveis... parabéns!

    Beijos,
    Patrícia Lara

    ResponderExcluir
  17. De volta, Juan, depois de 10 dias em Sampa curtindo as maravilhas culturais da megalópole.
    O texto-poema é uma odisseia.
    Interessante além da conta.
    A tela de Van Gogh é simplesmente maravilhosa.
    Abração, amigo.

    ResponderExcluir
  18. Pois é amigo, a vida é esse desafio, e navegar é preciso neste mar turbulento que também nos ensina muito né? Abrc!

    ResponderExcluir
  19. os cachorros brinca ao redor da mesa, gente como um verso nos aprisiona tanto? estive ausente da blogsfera mais agora retorno

    ResponderExcluir
  20. Meu blog mudou de endereço, o novo é:
    http://vemcaluisa.blogspot.com/
    :)

    ResponderExcluir

- Chegue diante do quadro sem intenção preconcebida de sarcasmo.

- Olhe para a pintura do mesmo modo como olharia para uma pedra talhada. Aprecie as facetas, a originalidade da formam, a luta com a luz, a disposição da linha e das cores [...]

- Escolher um detalhe que seja a chave do conjunto, fixá-lo por um bom tempo, e o modelo surgirá.

- Nessa última comparação, deixar-se levar até as regiões da mais requintada Alusão.

Max Jacob


Que os vasos se comuniquem!

Related Posts with Thumbnails