terça-feira, 12 de julho de 2011

Dama da noite “Surfando no Caos”...

Lambo o gosto vencido de sua boca fétida
banhada à bebida e cigarros baratos
Sinto minha língua deslizar pelos seus dentes podres
Seu corpo não depilado combina com sua maquiagem de dias
Dama da noite...

Seu par de sapatos vermelho-Encontrados
Encontrados em uma alguma lixeira
de algum edifício no centro da cidade
Mantém você em pé e sua cabeça erguida

Dama da noite

Você não freqüenta casas "undergrounds" e não bebe coquetéis da moda?
Você freqüenta becos e ruas escuras?
Bares sujos?
E bebe aguardente com groselha?

Dama da noite, comoestava linda em sua calça de vinil preta banhada de sorrisos e abraços...

Se você soubesse que encostada neste balcão contando suas moedas
e notas amassadas
enfrentando certos olhares...
És ainda bela
E carrega em seu olhar um brilho que nenhuma "Chanel" pode comprar

Dama da noite “Surfando no Caos”...

que sozinha caminha com seu cigarro amassado na boca por ruas desconhecidas?
Vendo olhares em sua direção, passos, vozes...

Como diz Kerouac "SUAVE É O CHUVISCAR QUE PERTUBOU MINHA CALMA" 

Poema: Juan (Rafael) Moravagine Carneiro

9 comentários:

  1. Ótimo poema da noite e suas damas, poesia da cidade. Bjs

    ResponderExcluir
  2. Essa dama da noite lembra bem as noitadas pela estrada fora da Sal Paradise e Dean Moriaty!!

    Beijo!

    ResponderExcluir
  3. Caro Juan.
    Bom te ler!!! Há sempre uma dama em nossa vida!!Há sempre uma noite... Há sempre um escritor para nos refazer!
    Um bom abraço.

    ResponderExcluir
  4. Algumas canções que tocaram em minha cabeça ao ler o poema:

    Legião Urbana - A Tempestade
    Cazuza - Só as mães são felizes
    Lou Reed - Wild Child

    Tenho uma jukebox na cabeça. E não precisa de moeda para fazê-la funcionar.

    ResponderExcluir
  5. caríssimo,
    quanto tempo!


    abraços para você.

    ResponderExcluir
  6. lindo e triste!!! uma realidade em confronto com com a noite selvagem e crua!

    ResponderExcluir
  7. Uma monalisa suburbana pintada na esquina, no calçadão, no buteco de quinta. Linda como a realidade. Para quem aprecia a realidade mesmo com feridas.

    Teu poema é um retrato de muitas vidas.

    ResponderExcluir

- Chegue diante do quadro sem intenção preconcebida de sarcasmo.

- Olhe para a pintura do mesmo modo como olharia para uma pedra talhada. Aprecie as facetas, a originalidade da formam, a luta com a luz, a disposição da linha e das cores [...]

- Escolher um detalhe que seja a chave do conjunto, fixá-lo por um bom tempo, e o modelo surgirá.

- Nessa última comparação, deixar-se levar até as regiões da mais requintada Alusão.

Max Jacob


Que os vasos se comuniquem!

Related Posts with Thumbnails