sábado, 24 de abril de 2010

Baile!

A odisséia noturna de um passante em meio a multidão de vazios cobertos e desnudos. Aonde as paredes o abraçavam e deixavam suas marcas em sua pele mesmo estando protegida por mantos escuros. Sua saga em busca de um balcão se estendeu por toda madrugada...Houve correria, desilusões, encontros, frio, calor, chuva e até mesmo medo, prazer, sonhos e pesadelos, vielas, becos, avenidas, calçadas, buzinas, cachorros, gatos e corujas....

(Perambulando pela noite espero encontrar a lua.

Ela finge brilhar, se esconde atrás das estrelas.

Espero lhe encontrar antes que o sol me alcance)


11 comentários:

  1. Juan,

    traz à memória a cena: 'a solidão, na volta de tais encontros, era grande e árida. Chega a ler livros apenas para poder falar deles. À procura... começa sentir vazio. O desencontro aos encontros cada vez mais decepcionantes. A sincera pobreza revelava-se aos poucos'.

    Abraços e paz!

    Priscila Cáliga

    ResponderExcluir
  2. Rafa que coisa alinda. =) Vindo pra casa do trabalho eu pareço um ET no ônibus olhando a lua no céu. Eu a sigo com os olhos, ela me segue com sua luz, mas nunca nos encontramos de verdade. Se você tiver a chance de conhecê-la primeiro, será que pode apresentá-la pra mim? Procuro um amor - Frejat - achei que faria sentido agora.

    Beijo-te sempre com doçura. =*

    ResponderExcluir
  3. Também gostei muito do seu espaço. Obrigada pela visita ao Leitora.

    ResponderExcluir
  4. toda vez que venho aqui e leio esta frase do Tristan Tzara, me dá uma sensação inexplicavelmente estranha...

    que coisa!




    ahh Juan, encontrar livros de Lya não é tão difícil =)
    e se você mora perto de bibliotecas, pode encontrar algum.

    esse "Pensar é Transgredir" tem umas crônicas muito boas.

    vale a pena pisar no terreno de Lya.
    muito coisa boa se descobre.


    beijos querido.

    ResponderExcluir
  5. Eu pendurei uma lua
    na janela do meu quarto
    para
    quando a verdadeira se ocultar
    esta me iluminar.

    abraço da em@

    ResponderExcluir
  6. Baile... nocturno. Onde até os rostos que se cruzam passeiam sombras e solidão... A velha companhia da calçada, a única que, beijando as solas, nos sorri... ainda que de baixo para cima.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  7. Juan, precisei retornar ao teu recanto, pois tudo que leio aqui rasga a minha pele. É tão gritante, grito desejoso... ardente! Confesso que, para poder fazer uma releitura do que partitura, como é importante entrar no ensaio do dentro-silêncio e palavra em metáforas que conjuguem o propósito da poesia que oferece à plateia. As minhas retinas capturam que 'é através da linguagem que o poeta mostra como se relaciona com o mundo', uma leitura-releitura tão detalhista, recheada de nuances, partículas que constroem boas novas. Como li num relato: 'O poeta, assim, situa-se entre o silêncio do hermetismo e a comunicação da experiência que jamais é aquela existente antes de sua realização verbal. Nisso, a poesia deixa de ser 'arte' da linguagem: o seu módulo passa a ser anti por excelência'. Seus belos escritos me transportam por nudez, que viver assim, é liberar numa decisão à liberdade do ser, mesmo que em deficiência o transparente. Bem, parabéns ave rara por seres uma 'escola', e obrigada por tudo que oferta, fazendo-me adentrar em águas profundas.

    Abraços,

    Priscila Cáliga

    ResponderExcluir
  8. Síndrome de vampiro?

    ResponderExcluir
  9. na madrugada de carnes mortas vê-se a beleza da calmaria pré-alvorada.

    brigado pela visita, meu caro.
    abraço.


    ryan.

    ResponderExcluir
  10. Quando quiser encontrar 'estrelas', já sabe onde...

    ResponderExcluir

- Chegue diante do quadro sem intenção preconcebida de sarcasmo.

- Olhe para a pintura do mesmo modo como olharia para uma pedra talhada. Aprecie as facetas, a originalidade da formam, a luta com a luz, a disposição da linha e das cores [...]

- Escolher um detalhe que seja a chave do conjunto, fixá-lo por um bom tempo, e o modelo surgirá.

- Nessa última comparação, deixar-se levar até as regiões da mais requintada Alusão.

Max Jacob


Que os vasos se comuniquem!

Related Posts with Thumbnails