sexta-feira, 28 de maio de 2010

Coração grávido

Marco, Aguardo, Espero...
(Eletro)

Boina, Pullovers, Camisa...
(Peito Aberto)...

Sento, Escuto, Compreendo...
(Devo Ficar Esperto)

Afinal, Não só de Poesia Vive um Coração...

(Taquicardia)


Texto:Juan Moravagine Carneiro
Imagem: Trabalho de Bansky e Criação de  Derya Öztürk

26 comentários:

  1. É... O coração agradece um pouco de ação, rs.

    ResponderExcluir
  2. Adorei tua poesia, identifiquei-me com teus versos...
    Bjs de Boa noite!
    Mila

    ResponderExcluir
  3. a recíproca é verdadeira camarada!

    você conhece uns trabalhos com estêncil muito legais cara!

    abração!

    ResponderExcluir
  4. ele vive de muita coisa, principalmente poesia.
    bjs

    ResponderExcluir
  5. nem só de ciência vive um cerebro
    nem só de piru vive uma buceta e vice-versa
    nem só de gasolina vive um auto flex...

    rsrs

    esse Bansky tem uns bagulho da hora memu

    ResponderExcluir
  6. É muito bom esse jeito clean de se expressar...
    gostaria muito de conseguir isso... mas minha natureza é muito feminina e muito tortuosa... Viva a diferença!!!!!!rsrsrs...
    To cobrando... me manda o link do tal blog, tá?
    luanova.gtt@gmail.com
    Um FDS pra lá de saboroso pra vc...
    Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Eu tô grávida
    Esperando um furacão, um fio de cabelo, uma bolha de sabão
    E vou parir
    Sobre a cidade
    Quando a noite contrair
    E quando o sol dilatar
    Vou dar a luz

    Marina Lima.

    ResponderExcluir
  8. [coração é circuito vital, mas o mais das vezes também desempenha as funções de "alvo"; tingindo de todas as cores, sobrevive]

    um imenso abraço, Juan

    Leonardo B.

    ResponderExcluir
  9. Meu caro Juan, perdi a conta de quantas vezes esse meu coração acelerou por causas diversas.
    Depois voltou ao normal.
    Ele sempre volta ao normal.
    Ótimo poema.
    Forte abraço, amigo.

    ResponderExcluir
  10. Fortes verSOS, que se complementam com as imagens, sinestesias que nos levam à lugares adentro...

    Parabéns Juan!

    ResponderExcluir
  11. muito bom isto aqui, não me canso de voltar e de me surpreender.

    abraços

    ResponderExcluir
  12. Não fuma, não bebe mais, não come carne...
    Como posso dizer pra se cuidar se já faz tudo isso?

    ResponderExcluir
  13. Letra é moldura, é veste;
    Sentimento é ruptura, é tensão;
    Que de palavras, por vezes, se reveste.
    Letra é trovão do sentimento-raio...

    Nem só de poesia, mas de sentimentos... ;)

    ResponderExcluir
  14. Não só de poesia vive um coração...
    Mas um coração pode viver sem poesia?

    Abraço!

    ResponderExcluir
  15. palpita,palpita, palpita...o coração vive da vida.

    ResponderExcluir
  16. Não só, mas sem ela tudo seria menos bonito!
    Meio assim sem cor!

    ResponderExcluir
  17. Olá meu caro Juan, interessante e criativa construção poética. Obrigada pelo carinho de sempre. Um abraço e um ótmo domingo.

    ResponderExcluir
  18. nossa, eu já reli umas cinco vezes. o rosa claro é excesso de glóbulos brancos? rsrs...

    a magem do banks mata a pau ;)

    beijos.

    ResponderExcluir
  19. E tanto mais...e você condensou com beleza.

    ResponderExcluir
  20. Se não for agora, outro tempo virar, mas esse coração há de gerar...

    Adorei!

    Bjs
    Livinha

    ResponderExcluir
  21. caro amigo, que maravilhosas ilustrações me perdi nessas imagens ,

    e me deixou bastante curioso que certo verso do poema estão a apagar-se

    que forma belíssima.

    ResponderExcluir
  22. ... mas tudo o que ele colhe será matéria-prima de poema.

    Bonito seu escrito!

    Beijo.

    ResponderExcluir

- Chegue diante do quadro sem intenção preconcebida de sarcasmo.

- Olhe para a pintura do mesmo modo como olharia para uma pedra talhada. Aprecie as facetas, a originalidade da formam, a luta com a luz, a disposição da linha e das cores [...]

- Escolher um detalhe que seja a chave do conjunto, fixá-lo por um bom tempo, e o modelo surgirá.

- Nessa última comparação, deixar-se levar até as regiões da mais requintada Alusão.

Max Jacob


Que os vasos se comuniquem!

Related Posts with Thumbnails