terça-feira, 8 de junho de 2010

Entranhas Abertas

"Dizer que era poeta - é coisa velha:
No século da luz assim é todo
O que herói de novelas assemelha...

Vemos agora a poesia a roda!
Nem há nos botequins face vermelha,
Amarelo caixeiro, alma de lado,
Nem Bocage d`esquina, vate imundo,
Que não se creia um Dante
[Vagabundo]!" (Álvares de Azevedo)

"Os artistas tem outros talentos, que não os da etiqueta" (Soutiné)


Texto: (Poema do frade) de Álvares de Azevedo e frase de Soutine, o pintor mais genial do século XX (para mim é claro)
Imagem: Fotografia de Brassai e Tela de Soutine

22 comentários:

  1. Muito bom mesmo o Soutine.

    Beijo, Juan!

    ResponderExcluir
  2. soutine
    poxa que lindo
    há tempos uma imagem não me impressionava mais que as palavras, ah que saudades dessa sensação

    ResponderExcluir
  3. Olá,
    Toda vez que visito teu blog lembro de um antigo professor que dizia "sempre sabemos pelo menos 30% a mais do que pensamos saber". A lembrança vem a propósito da frase de T. Tzara.
    Saúde e felicidade.
    JPMetz

    ResponderExcluir
  4. B Bons ventos o trouxeram de volta, o espaço estava vazio e foi preenchido com a beleza da tela, principalmente.

    abraços,
    tania

    ResponderExcluir
  5. Pode postar o fragmento, sim.

    :)

    Também gosto de VSM, mas alguns leitores não percebem que sou eu, rs. Por isso, estou quase desistindo...

    ResponderExcluir
  6. Que bom te saber por aqui. Sua cultura e sensibilidade sendo compartilhadas...
    Vim te dar um beijinho e alimentar minha alma.
    Passe lá, vc faz falta.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Não conhecia o poema de A de A. Gostei.

    ResponderExcluir
  8. Lindo o texto...mas a imagem é espetacular!

    ResponderExcluir
  9. Adorei seu poste, a arte, tudo...
    Bjs, e obrigado pela sua maravilhosa visita.
    Mila Lopes

    ResponderExcluir
  10. juan, também gosto muito de soutine
    e o poema, atualíssimo, né?

    obrigada por tuas visitas sempre tão gentis

    um abraço(grande) pra ti!

    ResponderExcluir
  11. Gostei demais. A arte tem mesmo que se manifestar de formas diferentes. Você me fez pensar no poema do Talles que eu acabei de ler, passa lá e dá uma olhada quando tiver chance. Acho que o título é "Casa da mãe Joana".

    Eu também sinto sua falta, Rafa, agora vocÊ já sabe pq eu estive sumida. Estou de volta. =)

    Beijo sempre carinhoso. =*

    ResponderExcluir
  12. Admiro Soutine também! Seu post me lembrou do quanto fiquei fascinada pela "Mulher nua (Naked Woman)" e pelo "Homem da Oração". Estas obras renderam até poemas... O poema do Homem da Oração eu perdi infelizmente! Só lembro que havia alguma coisa como "Disseco meus versos como o Homem da oração de Soutine...". O da Mulher nua ainda tenho... irei resgatá-lo e postá-lo no blog... Obrigada pela lembrança! Abraço!

    ResponderExcluir
  13. o mundo ainda não conhece mais um dia ainda iremos ouvir falar muito nesse nome

    ^^

    abraços

    também agradeço tão doce visitas

    ResponderExcluir
  14. Juan,

    vim, primeiramente, agradecer o seu gentil comentário lá no Maria Clara e convidá-lo a visitar o meu espaço literário particular, a que chamo de confeitaria poética. : )

    Quanto à sua postagem, que lindeza... Álvares de Azevedo e Soutine praticamente de mãos dadas!

    Um abraço,
    doce de lira

    ResponderExcluir
  15. Postei esta frase do Soutiné no TT com os devidos créditos a você meu caro. Abs!

    ResponderExcluir
  16. Quer ler mais fragmentos do seu livro, abre suas entranhas... teho certeza... bate forte avesso!

    ResponderExcluir
  17. Quero Ler mais fragmentos do seu livro!!! Posta... seus avessos!!! beijos

    ResponderExcluir
  18. Querido

    Lá no Chocolate há um presente pra vc que eu espero que vc goste pois te ofereço de todo coração. Mas não se sinta obrigado a aceitar.
    Apenas passe lá e dê uma olhada do selo e, de qualquer modo, escreva um comentário que me deixará muito feliz.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  19. Em minhas entranhas eu levo
    viciadas dores...

    ResponderExcluir

- Chegue diante do quadro sem intenção preconcebida de sarcasmo.

- Olhe para a pintura do mesmo modo como olharia para uma pedra talhada. Aprecie as facetas, a originalidade da formam, a luta com a luz, a disposição da linha e das cores [...]

- Escolher um detalhe que seja a chave do conjunto, fixá-lo por um bom tempo, e o modelo surgirá.

- Nessa última comparação, deixar-se levar até as regiões da mais requintada Alusão.

Max Jacob


Que os vasos se comuniquem!

Related Posts with Thumbnails