sexta-feira, 11 de junho de 2010

Envelopes lacrados

"Eu não sei exatamente onde estou indo
Mas vou tentar ir ao Paraíso, se eu puder
Porque isto faz me sentir como um homem
Quando eu enfiar a agulha na minha veia
E direi a você que as coisas não são mais as mesmas
Quando estou apressado em minha corrida
E sinto como se fosse filho de Jesus
E acho que eu simplesmente não sei
E acho que eu simplesmente não sei...
Eu fiz a grande escolha
Vou tentar destruir minha vida
Porque quando o sangue começar a jorrar
Quando isto passar pelo meu pescoço
Quando eu estiver chegando perto da morte

E vocês não podem me ajudar, não vocês, caras
Nem vocês doces meninas com suas doces conversas
Você todos podem ir catar coquinhos
E acho que eu simplesmente não sei
E acho que eu simplesmente não sei

Eu queria ter nascido há mil anos atrás
Queria ter navegado pelos mares mais escuros
Em um grande barco à vela
Indo desta terra aqui para aquela
Em uma roupa de marinheiro e chapéu

Longe da metrópole
Onde um homem não pode se livrar
De todo o mal da cidade
E dele proprio, e daqueles a sua volta
Ah, e acho que eu simplesmente não sei
Ah, e acho que eu simplesmente não sei

Heroína, seja a minha morte
Heroína é minha esposa e minha vida
Porque um caminho na minha veia
Leva ao centro do meu cérebro
E então estarei melhor e morto

Porque, quando a heroína começa a se espalhar
Eu realmente não me preocupo
Com todos os babacas desta cidade
Nem com todos os políticos fazendo sons malucos
Nem com todo mundo maltratando todo mundo
Nem com todos os corpos mortos empilhados em montes

Porque, quando a heroína começa a correr
Eu realmente não me preocupo com mais nada

Ah, quando a heroína está no meu sangue
E este sangue está na minha cabeça
Cara, graças a Deus estou bem e morto
E graças ao seu Deus eu nem sei disso
E graças a Deus eu simplesmente nem me importo
E acho que eu simplesmente não sei
Oh, e acho que eu simplesmente não sei"

Não é tempo de escrever sobre rosas, teatro é uma lente de aumento, comigo a anotomia ficou louca, coração gigante grávido de suicídio, cinema é uma concepção do mundo, o pôster para à comunicação de massas. Uma bofetada no gosto do público. Depois de morto falarei como um vivo. (Maiakóvski) 



Texto:Canção de uma das bandas que mais curto Velvet Underground - Heroína e escrito do poeta russo Maiakóvski.
Imagem: Cena do filmes Trainspotting e Laranja Mecânica

27 comentários:

  1. O instrumental dessa canção é uma maravilha, segue o ritmo da história que envolve a letra da canção.
    Bjs Juan
    Mila Lopes

    ResponderExcluir
  2. "Depois de morto falarei como vivo" - é isso que assistimos desde que "nossos herois morreram de overdose", não é? Parece que tanto talento não consegue ficar retido dentro desse invólucro chamado vida, e esses gênios incompreendidos precisam se libertar dessas amarras e explodir em luz... Um beijo, Deia.

    ResponderExcluir
  3. Belo escrito
    e ótimos filmes, mas sou suspeito pra falar
    vale a pena lembrar com o monologo de trainspotting é sensacional

    ResponderExcluir
  4. "Não é tempo de escrever sobre rosas..."

    Mas venho aqui na expectativa, quem sabe, de ler algumas pétalas!

    Abraço!

    ResponderExcluir
  5. E se as rosas não falam, talvez eu falarei por elas. Não sei, não sei, como morto falarei com elas...
    Bravo, bravo!
    Bjs
    Livinha

    ResponderExcluir
  6. ESTAVA com saudade? A saudade já passou??? Então vou sumir mais um pouquinho pra ela voltar. =P

    Que poema mais viajante... eu não gostei muito, deve ter algo de extraordinário nele mas eu não consigo entender (e não vou fazer de conta que gostei só pra agradar vc, essa não seria eu, seria?).

    Beijo carinhoso pra você. Sempre.

    ResponderExcluir
  7. Envelopes lacrados não podem ser violados.
    É crime na forma da lei.
    Excelente a letra do Lou Reed, Juan.
    Simplesmente, devastadora.
    Quanto aos filmes, adoro os dois: Trainspotting e Laranja Mecânica.
    Cito ainda na mesma pegada Syd and Nancy (O amor mata).
    Vlw a visita.
    Abs.

    ResponderExcluir
  8. Parabéns pelas postagens.
    Vc falando de envelopes e eu de cartas abertas no meu "boteco"
    Beijooo!

    ResponderExcluir
  9. tantos mestres juntos em um só posto só poderia resultar em uma maravilha

    com ator bem sei que o teatro é a vida humana vista de dentro? dentro de que? huahuahuahuahahaha
    é o que eu falava para os meus alunos, ele sempre perguntavam dentro de que, eu disse quanto vocês tiverem sido consumidos pelo teatro vocês vão saber

    ResponderExcluir
  10. julgo que era roman polanski que dizia que o cinema não poderia ser leve nem fútil, pois perderia toda a sua capacidade de chegar aos corações das pessoas; se a vida não o é, por que o cinema o seria?...
    um abraço, juan!

    ResponderExcluir
  11. Lou reed é demais, mas essa letra me incomoda, não sei, talvez a dor do mundo fique muito escancarada e o desencontro evidente demais.

    beijo

    ResponderExcluir
  12. denso...mmuito denso...tudo o que li por aqui

    ResponderExcluir
  13. ...hum...mas sempre é tempo de pensar nas rosas, ainda que a vejamos distantes, em algum lugar...em algum lugar. Estar bem e morto...Isso é tão torto, perdemos o prumo muitas vezes.
    Mas eu gosto mesmo é re rosas, de rosas, de rosas...

    abraços,
    tania

    ResponderExcluir
  14. Gostei demais do post.

    não conhecia a letra da canção.
    e curti as imagens!

    excelente escolha Laranja Mecânica.
    grande clássico!!!!

    abração Juan,
    bom fim de semana :)

    ResponderExcluir
  15. Chocada!!!!! As vezes eu queria a heroína, e muitos querem apenas nnao temos coragem pra falar! Até me ví, batendo no Braço... ao destruição... não já nasci a arte e o teatro já estavam em crise!

    ResponderExcluir
  16. post bem legal hein
    as vezes temos que esfregar merda na cara dos outros
    só assim eles veem a merda
    e cheiram-na
    e degustam-na

    hum delícia...

    ResponderExcluir
  17. surreal como a vida parece ser..
    Maiakóvski é uma picada de lucidez no cérebro,

    ResponderExcluir
  18. ótimos filmes, ótimo texto.bj.

    ResponderExcluir
  19. hoje vim fazer um convite especial
    estamos lançando um novo projeto e espero que você nos aprecie:

    http://papeisonline.blogspot.com/

    aproveita a oportunidade e assina nosso jornal gratis na opçao assine do menu

    ResponderExcluir
  20. Olá...

    Muito tempo distante, não?? A saudade apertou o peito aqui..mas o tempo está quase sumindo,....

    li teus últimos escritos, falar deles?? impossível....surpreende-me a cada letra costurada....faz em mim espécie de encantamento prolongado...efeito de estado digestivo sempre...ainda tento digerir muitas coisas que engulo aqui, e que me causam insônia!!

    Um enorme beijo!
    Mell

    ResponderExcluir
  21. Oi Juan!
    Correndo os olhos devagar por aqui...
    =)

    Gostei!

    ResponderExcluir
  22. A heroína não conheço mas conheço morfina - e aí a gente nada sabe e como é bom não saber...
    Adotei a heroína em mim como eu heroína a não conviver e apenas os filhos - que tive a maldade de pôr neste mundo _ me movem de uma maneira concreta.
    O resto não sei e é melhor não saber.
    Estar no mundo sem estar é navegar, você sabe e isso é bom de saber.
    Tudo dói - menos o não ser o não estar e morrer sim para falar como vivo fosse mas estou eu aqui nessa paixão que tenho por Maiakówski e é melhor parar senão vou esbanjar-me e o espaço é seu e o talento também.

    ResponderExcluir
  23. Esse trecho do Maiakóvski é um primor! Obrigado por compartilhá-lo, camarada!

    abraço.

    ResponderExcluir
  24. Leio e comento com calma qnd estiver em condições... Beijos

    ResponderExcluir

- Chegue diante do quadro sem intenção preconcebida de sarcasmo.

- Olhe para a pintura do mesmo modo como olharia para uma pedra talhada. Aprecie as facetas, a originalidade da formam, a luta com a luz, a disposição da linha e das cores [...]

- Escolher um detalhe que seja a chave do conjunto, fixá-lo por um bom tempo, e o modelo surgirá.

- Nessa última comparação, deixar-se levar até as regiões da mais requintada Alusão.

Max Jacob


Que os vasos se comuniquem!

Related Posts with Thumbnails