sábado, 24 de julho de 2010

A noite que me hospeda


A fumaça rasteja pela manha adormecida
O sopro vomita a boca do infinito
A garganta presa se deita no leito dos miseráveis.
A música balança os pensamentos castrados pela infância
Os olhares permanecem distantes
As vozes se confundem nas batidas de lembranças imperfeitas
As lagrimas banham a realidade...

As buscas terminam ao lado de mais um coração despedaçado
As pernas cruzadas não mais querem a realidade
Pois o descaso e a insegurança castraram uma possível masturbação matinal.
Mais uma rolha escorre pelo chão molhado pelas lagrimas de uma virgem estuprada pela indiferença dos desconhecidos do tempo
Sento em uma cadeira qualquer e observo que o mundo, que as pessoas não mais se deparam com o desconhecido.
O sol rasteja ao meu lado enquanto lambo a boca gasta de um cotidiano podre, alimentado pelo calor vencido.


Buscando novas respostas e caminhando em novos rumos, raspei o fundo deste mesmo sol e com seu resto reescrevi minha história, recheada de lagrimas alheia.
Meu hálito tem o cheiro de um mar inquieto.
Meu sopro vem de longe, vem do meio do deserto de concreto camuflado dentro de um corpo ausente

Texto: Poema de Juan Moravagine Carneiro
Imagem: Trabalho de uns dos artistas da atualidade que mais curto, BANSKY

27 comentários:

  1. Melhor do que se fez escrita só mesmo se fosse declamada!

    ResponderExcluir
  2. Meu amigo querido!!

    O que tens feito que não apareces mais???

    Sinto imensa saudade!!

    "andas e retornas, já vem a noite"

    Um carinho mais que hediondo!
    Mell

    ResponderExcluir
  3. Tudo tão perfeito aqui Juan.
    Estava com saudade!!!

    Super abraço meu!

    ResponderExcluir
  4. Hálito com cheiro de mar inquieto... Bela imagem poética assim como tantas outras que o texto traz. Bonito, forte, reflexivo, de cunho existencialista e um pouco surrealista. Grande abraço.

    Úrsula

    ResponderExcluir
  5. [na noite, as ausências são um mero lapso de luz; a mão, afirma-se no claro escuro que conduz]

    um imenso abraço, Juan

    Leonardo B.

    ResponderExcluir
  6. Ah, que beleza ler algo teu novamente!

    ResponderExcluir
  7. imagens com a força de locomotivas engolindo corpos que se avespinham sobre os trilhos, numa orgia sanguínea... é assim a tua poesia, juan. forte, virial, negra... e profundamente perturbadora.
    um abraço!

    ResponderExcluir
  8. Oi Rafa! Bom passar por aqui e respirar novos ares. Um beijo, boa semana, moco! Deia

    ResponderExcluir
  9. Juan, estou digerindo o seu poema aos poucos em virtude de sua complexidade.
    Confesso que aprecio esse estilo surreal.
    Que venham outros "buscando novas respostas e caminhando em novos rumos".
    Ótimo.
    Abração.

    ResponderExcluir
  10. Vc nos leva de uma jeito forte, direto, e ao mesmo tempo, devaneador.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  11. Juan, caríssimo.
    Mantendo o crédito da amostra, para mim e uma honra!
    Estou curioso com tua escolha: imagem e palavras; que encrenca boa!

    ResponderExcluir
  12. Olá Juan!
    Adorei sua poesia.

    =)

    abç

    ResponderExcluir
  13. Não há nada que canse o leito das estrelas.
    A ficção da vida é uma estrela cadente no olhar distante da noite. Somos brilhos incessantes nas névoas do perfume.
    Jorge Manuel Brasil Mesquita
    Lisboa, 26/07/2010
    etpluribusepitaphius.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Rafael sobre o nosso poema, vamos lá! Estou sem msn, pois devido o TCC travou alguns programas no meu pc, portanto, estou por enquanto só no gmail, ainda bem que lá tem bate-papo. Repasso: pco.taveira@gmail.com
    Voltarei sexta para comentar o poema, e o outro que falaste.

    Abraços.

    Priscila Cáliga

    ResponderExcluir
  15. Forte, complexo. Enfim, o que a vida faz com todos nós em algum momento, "as lágrimas banham a realidade".

    ResponderExcluir
  16. Juan: maravilhoso e cheio de reentrâncias!
    Abraços,
    Tânia

    ResponderExcluir
  17. Juan, vertiginoso e arrebatador!

    Guri, estou decobrindo que tu não tens fundo...ainda bem!

    beijos

    ResponderExcluir
  18. "O sol rasteja ao meu lado enquanto lambo a boca gasta de um cotidiano podre, alimentado pelo calor vencido"

    Essa imagem é fortíssima, Juan. E muitas e muitas vezes me sinto exatamente assim. E dói, como dói...

    Beijo grande, querido

    ResponderExcluir
  19. gotas de fel não seriam mais apropriadas meu velho...

    um abraço!

    ResponderExcluir
  20. Precisamos que o mar esteja permanentemente inquieto...

    Abraço

    ResponderExcluir
  21. Estou sempre aqui te lendo... Havia comentado este texto... Não sei pq não aparece...

    Abraço!

    ResponderExcluir
  22. Imagens de tirar o fôlego. - Vendaval!

    Peço desculpas pela ausência. Na medida do possível, vou aparecendo.

    Abraços, meu caro e obrigada pelas visitas ao Nudez Poética.

    ResponderExcluir
  23. Rafael eu fico deleitado com o Bansky e contigo, a sua comtêporaniedade poética ilustra a arte contemporânea do artista e virce-versa

    ResponderExcluir

- Chegue diante do quadro sem intenção preconcebida de sarcasmo.

- Olhe para a pintura do mesmo modo como olharia para uma pedra talhada. Aprecie as facetas, a originalidade da formam, a luta com a luz, a disposição da linha e das cores [...]

- Escolher um detalhe que seja a chave do conjunto, fixá-lo por um bom tempo, e o modelo surgirá.

- Nessa última comparação, deixar-se levar até as regiões da mais requintada Alusão.

Max Jacob


Que os vasos se comuniquem!

Related Posts with Thumbnails