sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Muros de mel derretem



Lanço palavras em direção ao sol

Apanho do cotidiano podre e gasto pelo tempo
Os persevejos habitam o Jardim do Éden, perfurando seu útero grávido
Lírios de plástico enfeitam barracos, casas e jaulas de borboletas...
O solo adubado por restos tóxicos é arado por crianças descalças e desnutridas.
A noite dorme enquanto o dia trabalha...O cálice de mentiras é servido todas as noites...

A lamparina se apaga
E a terra agora molhada se joga diante do nada...
Cartola sentado no alto do morro pensa com ele mesmo "E a natureza sorrindo, tingindo, tingindo"... e olhando para baixo triste vendo sua escola triste servindo de abrigo se sente nostálgico..."Alvorada lá no morro, que beleza
Ninguém chora, não há tristeza
Ninguém sente dissabor"

Gritos abafados se cansam sem ar...
O útero furado se racha ao meio trazendo consigo o gosto ébrio da morte

Muros de mel derretem
O asfalto quente agora soterrado tomba diante do mar de terra

Vagando pelo canto de uma esquina...olhando para a rua agora inexistente, a alvorada se esconde tímida...!

Texto: Poema de Juan Moravagine Carneiro
Imagem: Cena do Filme Watchman

22 comentários:

  1. E a história sempre se repete...
    Até quando?

    ResponderExcluir
  2. O teu poema seria suficiente só pelo título...

    ResponderExcluir
  3. Meu amigo

    Um texto dorido como a calamidade que está a acontecer...vivi dois anos no Rio e tenho muita pena.
    Petropolis, era linda.

    Deixo um beijinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  4. [em cada madrugada, anotam-se apontamentos para o dia que nasce, também, torto... como um pouco de nada, de nada]

    um imenso abraço, Juan

    Leonardo B.

    ResponderExcluir
  5. Caríssimo Juan.
    Este teu escrito é-me uma aula; seja poema, inverídico, vermelho, astênico, emese, cinza, abre-me a leveza para ler-te!
    Belíssimo!

    ResponderExcluir
  6. Muros de mel em asfalto quente. Bonita alegoria.
    beijo.

    http://vemcaluisa.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Poema forte como as avalanches que ceifaram vidas inocentes.
    A denúncia social é também função da poesia.
    Ótimos versos.
    Abração, Juan.

    ResponderExcluir
  8. E a noite se cala para que dos sonhos mais claros nasça a claridade do dia e da vida.
    Jorge Manuel Brasil Mesquita
    Lisboa, 17/01/2011

    ResponderExcluir
  9. Forte! Intenso, uma realidade em metáforas.
    Gostei!

    beejo meu!

    ResponderExcluir
  10. texto cheio de palavras punjentes e doídas.
    mui bom.

    ResponderExcluir
  11. triste, belo, verdadeiro.

    abraços e beijos
    El

    ResponderExcluir
  12. É meu caro...
    A descrição é forte, pungente e inquietante.
    Dá muita revolta.

    Um abraço forte e um beijo suave.

    ResponderExcluir
  13. Rafael, a vossa casa que diz a esta geração em profundos sinais de uma aurora que sobrevive ante os ataques da comunicação do sistema, olha-se o que se caminha pelas ruas para os secretos intensos que em alquimia nos rios afáveis, com passos simples ao brilho no olhar.

    Ps.: Sou apaixonada pelo seu cantinho!

    Abraços querido.

    Priscila Cáliga

    ResponderExcluir
  14. Cenário apocalíptico de grande intensidade poética, este seu lançar de palavras ao sol.

    Gostei muito!

    ResponderExcluir
  15. Vim ler grandes escritos e os encontrei.Parabéns.Voltarei mais vezes e com tempo maior.Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  16. Caramba quanta provocação poética. Parabéns pela verve!

    ResponderExcluir
  17. As ruas são partidas ao meio, seremos partidos?

    Versos que conversam com a realidade, parabéns!

    ResponderExcluir
  18. Faz calor,mas sinto frio...
    Procurava um lugar de palavras que fosse capaz de ajudar a temperatura de minh'alma a chegar a um denominador comum e o que encontro?
    Eis aqui uma dízima periódica em meu termômetro...Desejo que jamais tenha fim...
    Se for para alcnaçar constatações tão relevantes,quero ferver de frio e tremer de calor...Por tempo indeterminado.
    Seguirei sentindo.

    ResponderExcluir
  19. Olha, Rafael...
    um bombardeamento sensorial este teu texto... maravilhoso!! Fiquei zonza...

    Beijinho de Luz!

    ResponderExcluir
  20. Juan... Rafael... não importa.

    Texto lindo a despeito das tragédias que o tece.

    Ando sentindo a falta tua.

    bj
    Rossana

    ResponderExcluir

- Chegue diante do quadro sem intenção preconcebida de sarcasmo.

- Olhe para a pintura do mesmo modo como olharia para uma pedra talhada. Aprecie as facetas, a originalidade da formam, a luta com a luz, a disposição da linha e das cores [...]

- Escolher um detalhe que seja a chave do conjunto, fixá-lo por um bom tempo, e o modelo surgirá.

- Nessa última comparação, deixar-se levar até as regiões da mais requintada Alusão.

Max Jacob


Que os vasos se comuniquem!

Related Posts with Thumbnails